abril 27, 2005

Sinto-me só...

Sabias? Tão terrivelmente só. Vives rodeado pelas sobras da tua vida, pelas tuas falhas, pelo que supostamente te era devido e, sabes, não terás de volta. Resta-me tão pouco de ti. E acabo a sentir-me como se gritasse num local árido, sem retorno humano, vazia. Procuro no éter algo de que nem saberia precisar a origem. Talvez amor, essa palavra estranha e demasiado real que nunca desejarás enfrentar. Acabo sempre a tentar entender-te e a perder-me na raiva da certeza de que raramente existo na tua vida. Passar-se-ão dias, anos... Sentirei o mesmo? Não sei. Tê-lo-ei sequer aceite? Talvez a sombra que se cola a mim e me dá vida já nem exista. Porque me deixas a convicção de uma vida estagnada. Não encontro apeadeiros destinados à carruagem que escolhi. E se tento descobrir o que farei - agora mais do que nunca - é para que o tempo passe sem que relembre, minuto a minuto, os erros em que envolvi outros e a mim mesma.


----
Sei que necessito desesperadamente de tempo para aprender a viver devagar, para aprender a viver o presente, assimilar os meus erros e deixar de me seduzir por um futuro que me encandeia e queima como gelo. Porque em momentos de sonolência tranquila - embora amarga - decido que fui assim que ficou escrito. E deixo de acreditar que o sonho existe e o sangue que corre nas minhas veias torna-se lentamente frio.

Necessito do nascer do sol, das marés, da lua e das gotas de chuva que me caiem na face e se confundem com as minhas lágrimas salgadas, tentando falar-me, dizer-me docemente que estou viva, enquanto respiro devagar, para inspirar toda essa ânsia por viver.

17 comentários:

A tragedy in progress disse...

Se existir qualquer coisa que eu possa fazer para te ajudar avisa. *

Tão só, um pai disse...

Raquel,
Liberta-te, nas pequenas coisas, do e no dia a dia. Em tudo o que fizeres, e fá-lo tudo com muito amor.
Beijinho de boa noite, com um abraço aconchegado.

Mitsou disse...

É isso, Raquel, carpe diem! Hoje não falámos quase nada pq tive um dia atribulado mas amanhã vais ver :)! Beijocas, linda.

Raquel V. disse...

... porque a nossa liberdade acaba onde começa a liberdade do outro... até no (e com o) amor isso sucede, no escutar dos sons que nos fazem encaminhar para uma porta de entrada ou apenas para uma saída...

... e depois recupera-se essa capacidade de nos libertarmos através de alguém q nos estende a mão...

serpa disse...

também me sinto só mas enfim, que podes fazer senão escrever, expressar para renovar, e de novo voltar a amar.

Fernando B. disse...


Disse há poucas horas, a alguém, uma vez mais, que a libertação, está dentro de cada um de nós.

Continua a lutar pelo teu espaço e pela tua auto-estima.

Beijocas,

carlag disse...

Os erros cometidos, o próprio passar do tempo, ajudam-nos também a melhorar-nos.
Liberta o teu pensamento, fazendo coisas que gostes. E dedica-te a elas e a ti...

( No meio do incerto, há sempre uma certeza)
Um beijinho grande

Carlos Barros disse...

Há sombras que pairam por ai, mas nunca deixes que os abutres se abatam nos teus pensamentos e soonhos...
porque se comentam sentimentos ?...

Mitsou disse...

Beijito de boa tarde, Raquel! Andas desaparecida, hoje...

MAS disse...

Vim, (atrasada), retribuir a visitinha que me fizeste!
Gostei muito do que li.
=) Liberdade... depende de como cada um a encara, e d como pretendem - ou não - usufrui-la...
É claro que há sempre liberdades e liberdades.
Beijocas!

Mitsou disse...

Beijinho de boa noite, Raquel :)*

A vida como um filme disse...

Quando falamos com alguém numa paragem de autocarro, não erguemos determinadas barreiras, falaremos apenas de banalidades, longe do campo emocional. Mas e se nos enganámos? E se era urgente colocar obstáculos entre nós e o outro e não pusemos?

Tão só, um pai disse...

... beijinho de bom dia, com sabor a maresia ...

H. disse...

Oh Raquel, que post tão triste :| Não gosto de te saber assim! Olha, está um sol tão bonito, vai dar um passeio, mesmo sozinha, tenta nesse momento eclipsar o passado e o futuro e respira apenas o presente. E sorri! Quando era pequena li uma coisa que me ficou para a vida, certamente conheces, mas mesmo assim vou-ta dizer:

"Sorri, Sorri sempre
Mesmo que o teu sorriso seja triste
Porque mais vale um sorriso triste
Que a tristeza de não saber sorrir!"

Vá, força! *

Beijinho **

Mitsou disse...

Beijinho matinal, Raquel e vê se dás cabo dessa enxaqueca! :)*

Raquel V. disse...

carlag
Os erros cometidos, o próprio passar do tempo, ajudam-nos também a melhorar-nos.

Carlos Barros
porque se comentam sentimentos?

A vida como um filme
E se era urgente colocar obstáculos entre nós e o outro e não pusemos?


Lost in Space
"Sorri, Sorri sempre
Mesmo que o teu sorriso seja triste
Porque mais vale um sorriso triste
Que a tristeza de não saber sorrir!"




Ai... Lost como me recordou os tempos de qs adolescência... e a nossa constante busca de algo q aprender... sim, é verdade, e por isso mm, se estou muito triste por vezes, sorrio, e rio, muito mais do que seria de imaginar porque faz parte da minha natureza... não te preocupes... os meus posts podem ser com data de hoje e terem sido sentidos com data de ontem... obrigada :)



carlag... sim... o tempo cura tudo, esconde cicatrizes e atenua sensações...



Porque se comentam sentimentos...? Porque é inevitável...



Obstáculos... quantos não nos ensinaram a usar? quantos? centenas, milhares...? Desde crianças que nos ensinam regras, e um dia falha uma e apaixonamo-nos, ou magoamo-nos... ou apenas vivemos...
E se tivesse sido urgente colocar um obstáculo e ele não foi colocado...? Quem sabe...? aprendemos. Vivemos...

Mitsou disse...

Beijinho de sexta-feira à noite :)
Traduzindo: um óptimo fds, linda.