abril 11, 2007

{pensamentos soltos}
Observo o mar que investe
fazendo naufragar areia e rocha.
Conto os segundos entre cada investida,
ansiando por salvar pequenas conchas cheias de nada.
Nas minhas mãos guardo o pôr-do-sol
como se este fosse um suspiro.
Respiro.
E atiro as conchas para uma sacola
que é a minha vida misturada à pressa
com os últimos raios de sol
que o horizonte não conseguiu devorar.

8 comentários:

Conceição Bernardino disse...

Convite de apresentação


Meus queridos amigos,
Queria convidar-vos a todos para a apresentação do meu primeiro livro de poesia, ? Alma Poética? que se realizará no dia 23 de Abril às 22h (segunda ? feira, dia mundial do livro), que se realizará na Fnac no Gaia Shoping.
Muito obrigada a todos.
Apareçam será um prazer a vossa presença.
Beijinhos
Conceição Bernardino

http://amanhecer-palavrasousadas.blogspot.com

gato_escaldado disse...

Muitos parabéns. È com sincero prazer que te felicito e desejo as maiores felicidades literárias e pessoais.

Os teus "Pensamentos" são muito belos.

Beijos

Daniel Aladiah disse...

Querida Ana
Belo poema. A tua vida não se resume a isso, não deve... não pode! Mas dá-te o talento que tens ao escrever.
Um beijo
Daniel

MARIA VALADAS disse...

Mais um belo poema!

Virei visitar-te...pois não te esquecerei como amiga e poetisa!

Beijinhos da

Maria

ringthane disse...

O teu post de há uns tempos no Oceano das Palavras ainda dá que falar.

Vieira Calado disse...

Não conhecia o blog. Mas gostei do poema e voltarei

cm disse...

...gosto desse mar de conchas no horizonte da vida

C Valente disse...

Observo o mar que investe
pena é não vermos melhor o que nos rodeia, ou melhor não querer acreditar que só acontece aos outros
Saudações amigas