agosto 31, 2005

N o s t a l g i a

Recordo-me de quando nas primeiras páginas de qualquer livro estava escrevinhado o nome da pessoa que no-lo oferecera.
Datado, explicado, ou sulcado por uma lágrima dos que, mais emocionais, caligrafavam de corpo e alma o espaço vazio na folha branco sujo.
Hoje é tudo asséptico. Hoje não se escrevem dedicatórias porque não se sacrificam páginas que podem já ter sido adquiridas ou oferecidas por outros. A moda colou-se à literatura, às folhas impressas dos volumes da nossa praça.
Tenho saudades de dedicatórias reais. Dedicatórias carinhosas, patetas, humanas e sem "deletes". Gosto de canetas, de cartas assinadas e enviadas em envelopes a sério, guardadas dentro de livros que não se assemelham a cheques brinde.
Gosto de pormenores. Sim. Assumo. Gosto de livros com dedicatórias.

38 comentários:

JMTeles da Silva disse...

Podes desde já contar com uma dedicatória personalizada no primeiro livro que eu escrever.
Bjokas.

Menina_marota disse...

"...Gosto de livros com dedicatórias"

Eu também, por isso a minha facilidade em adquirir livros e oferecê-los...é uma partilha que me faz bem!

Um abraço terno ;)

Anna^ disse...

Não consigo oferecer um livro sem escrever uma dedicatória;
e os meus filhos vão pelo mesmo caminho...coisa que muitos pais estranham,os filhos receberem um livro c uma dedicatória de um amigo da mesma idade!
Para mim um livro que ofereça tem um significado...por isso mesmo o assinalo.
Mas tens razão...hj em dia é raro ter direito a uma dedicatória num livro!

Fica bem.
bjokas ":o)

Angela disse...

Ainda hoje tenho a sorte de receber livros com dedicatórias. E são os que mais gosto. :)

Friedrich disse...

Apetece-me fazer-te um desafio a acompanhares um romance sensual que estou a escrever e que irei postar no meu blog Nietszche que irá ser postado por partes em que o primeiro já lá se encontra. Gostaria que tu acompanhasses esta história e a comentasses. Acho que valerá a pena disponibilizares esse tempo porque irás dá-lo por bem empregue... Uma maneira diferente de se ver a sensualidade de uma relação amorosa, vistas através dos olhos de um homem! Aqui assim http://nietzsche.blogs.sapo.pt

Beijos

TMara disse...

confesso k tmb gosot. Gosto das coisa personalisadas e do fluir livre das emoções. qnt aos livros, um aoutra razão é não se por dedicatória num livro k não foi escrito por nós.....(discutível, né?). mas do k sinto mais falta é das cartas na cx do correio. Bj grande

Daniel Aladiah disse...

Querida Ana
Gosto de papel. É o melhor suporte para leitura, tornando o livro tangível. A dedicatória personaliza o livro, mas a nossa inscrição da data de compra é também interessante para mais tarde recordar.
Um beijo
Daniel

Clitie disse...

È a primeira vez que passo por aqui...Mas desde já digo que gostei!
Não concebo a oferta de um livro sem dedicatória...

dam disse...

Tens razão: oferecer um livro tornou-se acto insignificante. Grande verdade. Que nostalgia dos livros com dedicatórias...

sonhos sonhados disse...

kerida Ana

gostei do tratamento deste tema...
há muito não pensava nesse assunto.

a dedicatória
que é realizada
na oferta de um livro...
é
uma marca
um sinal fundamental,
daquele/a,
que "ousou"
oferecer uma das prendas
mais inteligentes............um livro.

não só adoro dedicatórias,
como nunca deixo de as realizar
quando ofereço uma lembrança,
(mesmo que esta não corresponda a um livro).

felizmente,
quem me oferece tal tesouro
sabe
do que gosto
...e...
não esquece palavras bonitas,
para "hoje e mais tarde recordar".

beijux létinha.

titas disse...

a dedicatória faz a diferença .....

olha, fióta, 'tou triste. O "Add me to your address book... Want a signature like this?" não se deixa copiar.... remendei a coisa, mas ficaria mais bonito também com ele.
//(~_~)\\ um beijo da Titas


Vais lá dar uma espreitadela?

Afrodite disse...

Eu também quero esse teu Add para publicar na minha casota.

Se tu fosses mesmo linda, dar-mo-ias a mim e não à ranhosa da que dá pelo nome de titas.

E assim o meu post ficaria melhor que o dela......!!!!!!!!!

§(~_~)§ beijo da Afrodite

TMara disse...

Vim agradecer-te o excelente trabalho k fizeste sobre os meus livros para o blog da Titas. Vocês deixam-me emocionada. Bjs

Misty disse...

Olá, passei para deixar um beijinho.
Fizeste ter saudades de quando não havia email, sms, chat e outras parafernálias electrónicas e em pegava na caneta e vencia a folha branca! E o melhor era a resposta, na volta do correio!
Fica bem!

Misty disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Paulo G. disse...

Huumm não sou capaz de oferecer um livro sem uma dedicatória uma lembrança sem umas palavras sinceras.
Por vezes essas palavras são mais significativas que o restante e marcam para toda a vida.

Beijos
paulo

Tão só, um pai disse...

pfffssst(*), pffssst(*), ah, a tinta já sai.
Muito bem, onde assino, hã? Olha, quando compro um livro (ehhhhh ... já lá vai um anito que não o faço), escrevo "Este é meu! tantos do tantos de dois mil e tantos, assinado, Eu!"

(*) acto de cuspir para humedecer o aparo da caneta.

Ricardo Leal disse...

Concordo contigo. E quando recebia uma carta inesperada??

Nilson Barcelli disse...

As dedicat´rias faziam parte integrante do livro e para toda a vida.
Recebem-se muitos livros mas, passado algum tempo já nem nos lembramos quem os ofereceu...

E por falar em dedicatórias...
Como sabes estou no degredo germanico mas, felizmente, livrei-me da Frau Gabi. Foram umas amigas que me salvaram. Na próxima segunda-feira vou contar a aventura e agradecer-lhes. Tu também és uma personagem importante do episódio e, por isso, terás a dedicatória respectiva.
Beijinhos e bfs

FataMorgana disse...

Olá:)
Vim agradecer a tua participação na festa que a Titas deu no meu Castelo, no dia do meu aniversário! Eu não estava presente, mas ela fez questão de que a casa não ficasse vazia... e como sabes é perita em receber, por isso esteve muito bem entregue!

Também adoro livros com dedicatória. Sempre que alguém me oferece um livro sem nada seu escrito na tal página em branco, nem hesito: peço mesmo...

Um beijinho para ti

titas disse...

fiótinha......
tu não me batas!

//(~_~)\\ um beijo da Titas

Menina_marota disse...

Passei para deixar-te um beijo e desejar um bom fim de semana :)

Anónimo disse...

Vejo que continuas a deliciar-nos comtextos belíssimos. Vou passando quando posso mas a amizade é a mesma; mesmo em silêncio.
Um beijo enorme, com dedicatória :)

Mimi

OrCa disse...

Esta desgovernada da Titas que faz encolher o meu tempo - aquele de que se fala lá mais "para baixo" - disse-me para vir até aqui. E eu, bem mandado, vim.

Gostei de ter vindo.

Das dedicatórias digo que não sai um livro da minha mão sem algo que eu sinta, no momento, em relação a quem o passo. Um abraço, um carinho, um piscar de olho, uma ironia ou, até, um sarcasmo. Enfim, algo de mim para o outro.

E o livro que dou - como o que recebo nas mesmas condições - passa a encorporar algo mais que o conteúdo impresso. Dentro da capa segue um afecto... o que o torna quase um ser vivo.

E isso faz toda a diferença.

Espero que o tal tempo e a falta dele me permitam visitar-te mais vezes, por considerar não ser essa visita uma perda de tempo.

eduardo disse...

Bom dia.

Este manganão do amigo Orca tirou-me as palavras da boca. Ou melhor, do teclado. Mas antes assim, porque não diria melhor.

Para além de dar uma enorme importância à dedicatória nos livros que me oferecem (como por ex: um deles é o que tenho guardado religiosamente do ilustre personagem que acima refiro, hehe...), a obra fica sempre mais completa com a expressão vincada de quem o ofereceu.

É como tivessemos um pouco do ofertante ao pé de nós. Seja a lembrança dum sorriso ou um aceno. Ou mesmo uma pétala seca duma rosa que teve já frescura. Ou aquela simples inicial que nos relembra outras aventuras e locais por onde gostámos de ter passado.

A dedicatória pode dizer-nos tudo menos a ingratidão de nos esquecermos dela.

Bom fim-de-semana.

Miguel de Terceleiros disse...

Adoro livros e dedicatórias. Tenho um vício... quando gosto de alguém lá vou eu a um alfarrabista e compro um livro que esteja relacionado com a pessoa em questão. Depois escrevo uma dedicatória, riscada ou sarrabiscada, escrevo só que me vem à ideia.
É a minha forma de mostrar às pessoas o que sinto por elas.
Infelizmente, quando me oferecem livros não escrevem nada, deixam aquela página inicial em branco...
É pena...

Eclipse disse...

Onde é que posso assinar? ;o)

maria disse...

É verdade é um hábito em desuso. Ainda recebo alguns livros com dedicatórias mas poucos, também é verdade que nem sempre eu faço o mesmo. Mas acho engraçado, quando compro livros em segunda mão ler as que foram escritas para outras pessoas.

Friedrich disse...

Acho que a minha inspiração está de férias, já estou a ficar impaciente com a sua ausência e preocupado ao mesmo tempo, porque não tinha nenhuns euros com ela, nunca mais regressa e estou precisando tanto dela, para continuar e concluir o romance!

Beijos

Paula Raposo disse...

Sempre a dedicatória, para que ao lermos o livro, sintamos o cheiro de quem no-lo ofereceu, e termos nessa relação de sentidos a recordação pessoal que não termina, nunca, com o fim do livro!! Beijos

Å®t_Øf_£övë disse...

Pois é Raquel, o mundo mudou, a nova tecnologia acabou com esses pormenores.
Há quanto tempo não recebes uma carta pelo correio de alguém amigo?
Há muito tempo não é!!!
Boa semana.
Bjs.

H. disse...

Eu ainda as faço... para as pessoas especiais ;)
E curiosamente livros é algo que gosto (e acredito que sei) oferecer... *

um estranho disse...

Um prazer escrever uma carta em papel.
Tenho uma grande colecção delas que um dia espero que a minha filha as possa ler, as possa entender, onde lhe transmito tudo o que um dia poderei nao ter tempo para lhe ensinar.

Mas tenho outras que escrevi e não guardei, enviei por correio, com selo, aos destinatarios.
Gostei muito das tuas palavras, mas isso tu ja sabes.
Obrigada.

Anónimo disse...

Sou uma amante incondicional das cartas, adoro escrever cartas e enviar aos meus amigos,conheçidos e familia. Gosto de pensar na cara de admiração sempre que recebem uma carta minha, acho que o email nao substitui a carta. Eu adoro ouvir o som da pequena e velha moto do carteiro.
E claro os livros são para mim muito, e gosto realmente de presentear as pessoas que me são querida com livros.

Ibag disse...

Não concebo oferecer um livro sem escrever uma dedicatória. Ficaria frio, distante. Mas constato que é difícil para algumas pessoas fazerem isso, na medida em que já me disseram que iriam também oferecer um livro com uma dedicatória igual à minha!... Interessante... e esquisito, não? Também gosto muito de, sem motivo especial, escrever um postal para um amigo. E já tenho recebido alguns! Mas só de pessoas especiais, claro!
Gostei muito deste blogue. Foi a minha 1ª visita, mas não será certamente a última. Parabéns!

Raquel V. disse...

Ibag,
Obrigada,
não costumava responder a comentários, antes o e-mail das pessoas aparecia.
Escreverem dedicatórias iguais às tuas tem dois lados (como as moedas): são dedicatórias que acham belas e são também pessoas que não percebem que o que vem da nossa alma é muito próprio.
Quanto aos postais também há uma outra situação, para quem gosta de os oferecer: http://pt.wikipedia.org/wiki/Postcrossing

Edite Esteves disse...

Gostei de ler. Continue.

Raquel V. disse...

Olá Edite,
obrigada,
estou a tentar "voltar ao activo".