março 04, 2005

O tempo passa e ao virar da esquina o relógio deixa de se ouvir...

Leio no vosso olhar o que desejaria nunca ter lido, o desânimo dessa imensa e soturna solidão a que o ser humano se impôs. Vejo a mentira. Vejo o manto cinza que vos tolhe os movimentos, essa aura negra que alimentam e vos deturpa o ser.

O tempo passa e ao virar da esquina o relógio deixa de se ouvir...

E vida que andou por ali à espreita...


Emprestou-ma alguém que não conheci e que em nada se parecia comigo, tenho a certeza. Porque as minhas escolhas se afastaram das que idealizara. Prometi-me sonhar, e no entanto, a cada minuto que passou, a cada hora que terminou, deixei por cumprir os sonhos, a própria existência.

Respeito as leis do universo, acredito que existe uma verdade cósmica para cada um de nós. Recuso perder-me na matéria e no entanto sinto o peso da culpa como se me enterrassem viva. Se sucumbisse hoje, seria sem me conhecer realmente, sem ter podido cumprir-me, sem conhecer o anjo ou o diabo que me habita. Desperdicei demasiados neurónios a combater o que não valia a pena combater, a exercitar a vingança. E por fim, não me permito terminar a tarefa e pago, tão-somente, por tê-la desejado. Em tempo desperdiçado, em vazio, no anseio das horas que passam.

Procuro o meu eu sonhador, o que jurou ser verdadeiro. Um eu de criança que ainda acredita em transparências azuis e que o oceano é quente e embala como o colo de uma mãe...

2 comentários:

IceTeaAddict disse...

Olá Raquel

Talvez aquilo que eu vou escrever te vá parecer um cliché, um chavão, um lugar-comum... mas foi algo que alguém cujos caminhos se cruzaram com os meus me disse um dia:

"O teu coração é como um par de patins novos. Se os guardares numa prateleira, com medo de andares e caires, aquilo que acontece é que eles ficam com teias de aranha, e tu nunca os usaste, e nunca disfrutaste deles. Se, pelo contrário, os usares e, por acaso, caíres ao menos tiveste os segundos, os minutos, as horas, em que deslizaste sobre o ringue."

Apeteceu-me partilhar isto contigo.
Se precisares de falar/escrever, ou, pura e simplesmente, de ler qualquer coisa, o meu e-mail (no primeiro caso) e o meu "cantinho estão à tua disposição.

Beijinhos
Ice

Raquel V. disse...

Um dia um amigo deu-me um url relacionado com algo em que ele acredita.
A questão não é acreditar ou não no que li, mas a beleza da mensagem.
Ainda hoje penso nesse texto e vou "viver" com ele para sempre, pq cada um guarda as palavras dos outros à sua maneira.
Aqui fica um excerto:
"Não me importa o que você faz para sobreviver. Quero saber qual a sua dor e se você tem coragem de encontrar o que o seu coração anseia. Não me importa saber a sua idade. Quero saber se você se arriscaria parecer com um louco por amor, pelos seus sonhos, pela aventura de estar vivo. Não me importa saber quais planetas estão quadrando sua lua. Quero saber se você tocou o âmago de sua tristeza, se as traições da vida lhe ensinaram, ou se omitiu por medo de sofrer. Quero saber se você consegue sentar-se com as dores, minhas ou suas, sem se mexer para escondê-las, diluí-las ou fixá-las. Quero saber se você pode conviver com alegria, se pode dançar com selvageria e deixar o êxtase preenchê-lo até o limite sem lembrar de suas limitações de ser humano.
Não me importa se a estória que você me conta é verdadeira. Quero saber se você é capaz de desapontar o outro para ser verdadeiro para si mesmo, se pode suportar a acusação da traição e não trair sua própria alma. Quero saber se você pode ser fiel e consequentemente fidedigno. Quero saber se você pode enxergar a beleza mesmo que não seja bonitos todos os dias, e se pode perceber na sua vida a presença de Deus. Quero saber se você pode viver com as falhas, suas e minhas, e ainda estar de pé na beira do lago e gritar para o prateado da lua cheia... "Sim"! Não me importa saber onde você mora ou quanto dinheiro tem. Quero saber se você pode levantar depois de uma noite de pesar e desespero, exausto, e fazer o que tem de fazer para as crianças.
Não me importa saber quem você é, ou como veio parar aqui. Quero saber se você estará ao meu lado no centro do fogo sem recuar. Não me importa saber onde, o que, ou com quem você estudou. Quero saber o que sustenta o seu interior quando todo o resto desaba. Quero saber se você pode estar só consigo mesmo e se verdadeiramente gosta da companhia que carrega em seus momentos vazios. (...)
de Oriah Mountain Dreamer (Uma Anciã Nativa Americana)

Obrigada pelo comentário e pelas palavras
Beijinhos
Raquel