março 16, 2005

Fama

Tenho-te na sensibilidade das palavras.
No sorriso com que olho para lá do que parece intransponível.
Perco-me em pensamentos sem direcção, sonhadoramente brincando com as palavras que posso modelar com a única capacidade que ainda posso chamar minha. Como se finalmente escrevesse um diário sem fim, que afinal - e isto seria uma longa história - nunca precisou ter princípio.
Sou mais eu e gostava que alguém o partilhasse.
É essa a fama que o ser humano provavelmente - inevitavelmente - deseja.

7 comentários:

João Mãos de Tesoura disse...

Olá, olá! Hoje é só surpresas!
Não é que já são 3 os blogues novos que vou colocar na minha lista? E tempo para os ler?
Parabéns,

João

Raquel V. disse...

Mas que bom! Pq tempo para se ler, a bem ou a mal lá se arranja :)
Digo eu... puxando a brasa à minha sardinha... ;)

Obrigada

Fernando B. disse...


Há muitos anos que eu partilho com os outros os meus encantos e os meus desencantos. Por aqui, faço-o há 8 meses. O resultado tem sido bastante positivo.

Partilhar, também é uma maneira de expulsarmos os nossos "demonios".

Sou um dos três impulsionadores do Apelo para a Humanidade. Agradeço a tua adesão.

Fraternos Beijos,

Raquel V. disse...

Sim... partilhei esses mesmos demónios vezes sem conta com as folhas em branco que surgissem à minha frente...

Depois, parei. Durante muito tempo fui incapaz de o fazer. Como um poeta que perde a musa.

E um dia recomecei, com a mesma ânsia de antes. E como me fazia falta. Escrevo até no verso de cheques, se não tenho mais nada à mão. Acalma-me...


Por outro lado, não agradeças. :)
É bom saber que há gente que se preocupa.

Marion disse...

vim aqui deixar um beijinho e agradecer o comentário
volta sempre

Raquel V. disse...

Nada de agradecimentos... é p voltar!

H. disse...

«Sou mais eu e gostava que alguém o partilhasse.» - lindo... simplesmente maravilhoso. mesmo!